• EN
  • Ajuda Contextual
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > GS2204

Animação Sócio-Cultural IV: Património Cultural...


Código: GS2204    Sigla: ASC4

Ocorrência: 2018/19 - 2S

Área de Ensino: Gerontologia Aplicada

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
LGS 9 Despacho 6311/08 de 05 de Março 4 ECTS

Horas Efetivamente Lecionadas

2Turma

Teóricas: 15,00
Laboratoriais: 15,00

Docência - Horas

Teóricas: 1,00
Laboratoriais: 2,00

Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 1 1,00
Mónica Alexandra Vidal Teixeira   1,00
Laboratoriais Totais 1 2,00
Mónica Alexandra Vidal Teixeira   2,00

Língua de Ensino

Português

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

Objectivos da disciplina São quatro os objectivos fundamentais desta disciplina: a) Fornecer um conjunto de instrumentos de forma a capacitar os discentes para a promoção de sinergias entre prática interventiva de animação-sócio cultural e trabalho no terreno, na área da Gerontologia Social; b) Valorizar o trabalho em rede e parceria no domínio gerontológico no que respeita à animação sócio-cultural; c) Promover a aquisição de conhecimentos e competências do ponto de vista teórico que permitam: *operacionalizar projectos de produção de práticas profissionais na área gerontológica, compreendendo em si a animação sócio-cultural (enquanto componente fundamental do processo de cidadania activa e qualidade de vida do idoso) *valorizar as políticas sociais, culturais e educativas em geral, aplicando-as criativamente na área gerontológica. Competências a adquirir na disciplina a) Promover o envolvimento cívico do(a) idoso(a), por via da ligação afectivo-cognitiva ao objecto natural ou artístico, nomeadamente na conservação e preservação do património Natural ou Histórico; b) Constituir uma área de saberes e competências decisivos para gerar o enriquecimento relacional e cultural dos contextos de vida dos(as) idosos(as), assim como ampliar as suas oportunidades de desenvolvimento e participação social. c) Criar estruturas susceptíveis de gerar dinâmicas colectivas que suscitem a implicação da população mais idosa em actividades socialmente reconhecidas. d) Abordar os sentidos, contextos e práticas em que se pode hoje falar de ¿património¿ de modo a desenvolver uma visão crítica das ideologias e das políticas patrimoniais. e) Questionar a definição de património cultural e de obra de arte através da análise de estratégias de recepção de obras de arte contemporânea; f) Ultrapassar a divisão, arbitrária e artificial, entre alta e baixa cultura.

Programa

1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS: PATRIMÓNIO 1.1. Condições históricas em que surge e se desenvolve a noção, progressivamente mais abrangente, de ¿património¿. Os diversos tipos de património. 1.2. Patrimonialização: o processo de constituição do património cultural/natural 2. INTERPRETAR O PATRIMÓNIO 2.1. Períodos temporais, estilos e suas características. Contexto histórico e significado. Ilustrações no campo da Arquitectura, Escultura ou Pintura. 2.2 Artes de fazer e de ser integradas no quotidiano. 3. CONCEITOS FUNDAMENTAIS: TURISMO 3.1. Turismo e Lazer ¿ perspectiva histórica 3.2. Turismo na actualidade ¿ tendências no Turismo Sénior. 4. TURISMO E PATRIMÓNIO: A FUNÇÃO FUNDAMENTAL DO ROTEIRO 4.1. Preparar uma Saída 4.2. A construção do roteiro 4.3. A recepção

Métodos de Ensino

Privilegia-se uma metodologia activa e interrogativa que fomente a criatividade e a participação do(a) discente no desenvolvimento da prática pedagógica. Os dispositivos formativos visam a aquisição e mobilização de quadros conceptuais e metodológicos e a capacitação para a análise fundamentada de propostas concretas.


Modo de Avaliação

Avaliação apenas com exame final

Avaliação Contínua

Para que os(as) discentes possa manter na avaliação distribuida deverão assistir a 75% do número total de aulas (Ponto 4 do Artigo 11º do Regulamento de Avaliação de Conhecimentos). A avaliação do desempenho dos estudantes irá reflectir-se numa classificação quantitativa (entre 0 e 20 valores). A atribuição desta classificação será baseada na qualidade do trabalho realizado e no cumprimento dos objectivos inicialmente definidos.

Avaliação Final

1. Avaliação distribuida Propõe-se uma metodologia, com os seguintes elementos: *Trabalho Individual de concepção de um roteiro de turismo cultural para idosos (80%). *Apresentação do progressão do roteiro em sala de aula (10%); *De acordo com o ponto 8 do Artigo 11º do Regulamento de Avaliação de Conhecimentos, a assiduidade e participação activa são consideradas (10%). (A nota final é uma média ponderada destes três elementos, arredondada apenas no final.) 2. Exame Final * Realização de um exame escrito final (ponderação de 100% da nota final).

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular

BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL TEIXEIRA LOPES, J. (2007). Da Democratização Cultural à Democracia Cultural, Porto: Profedições. JANSON, H. W. (2011). A Nova História da Arte, Fundação Calouste Gulbenkian: Lisboa GOMES, C.; PINHEIRO, M. & LACERDA, L. (2010). Lazer, Turismo e Inclusão Social: Intervenção com Idosos. Belo Horizonte: UFMG. pp 60-84. SOUZA, H. M., & Filho, W. J. (2006 ). Turismo e Qualidade de Vida na Terceira Idade. São Paulo: Editora Manole. AA.VV. (2010) Programa de Turismo Sénior. Documento Técnico. Lisboa: Ministério da Economia. Disponível online GEORGIA (s/d). Heritage Tourism Handbook: A How-to-guide For Georgia. Atlanta: Historic Departement Division. Disponível online ARCHER, M. (2002). Art since 1960. London: Thames & Hudson. ARNASON, H. & MANSFIELD, E. (2009). History of Modern Art. London: Prentice Hall. BEAUMONT, M. A. (1991). As 50 melhores Obras de Arte em Museus Portugueses. Lisboa: Chaves Ferreira. DIAS, P. (1999). História da arte Portuguesa no Mundo. Lisboa: Círculo de Leitores, 2 vols. GOMBRICH, E. H. (2005). História da Arte. Lisboa: Público, 16ª ed. GUILLAUME, M. (2003). A Política do Património. Porto: Campo das Letras. MATTOSO, J. (Dir.) (1998). Portugal, o sabor da terra, Lisboa: Círculo de Leitores/Pavilhão de Portugal/Expo 98. PINTO, A., et all (2001) História da Arte Ocidental e Portuguesa, das Origens ao Final do Século XX. Porto: Porto Editora. STEVENSON, N. (1998). Comentar a Arquitectura. Lisboa: Ed. Círculo de Leitores.