• EN
  • Ajuda Contextual
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > GS2101

Sociologia do Envelhecimento III


Código: GS2101    Sigla: SE3

Ocorrência: 2018/19 - 1S

Área de Ensino: Sociologia

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
LGS 10 Despacho 6311/08 de 05 de Março 4 ECTS

Horas Efetivamente Lecionadas

2Turma

Teóricas: 15,00
Orientação Tutorial: 15,00

Docência - Horas

Teóricas: 2,00
Orientação Tutorial: 1,00

Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 1 2,00
Adriano Zilhão de Queirós Nogueira   1,50
Orientação Tutorial Totais 1 1,00
Adriano Zilhão de Queirós Nogueira   1,00

Língua de Ensino

Português

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

Objectivos da disciplina -Aprofundar o domínio dos instrumentos fornecidos pela Sociologia para analisar criticamente o fenómeno do envelhecimento; -Fornecer um quadro teórico susceptível de facultar a leitura das estruturas, dos processos e das dinâmicas responsáveis pelas evoluções da condição social dos idosos; -Fornecer quadros de análise interpretativa das mudanças ocorridas nos modos de ver o envelhecimento, nos modos de interagir com os idosos, assim como nos modos de construir os problemas específicos desta fase da vida.

Programa

Emprego, Reforma e Envelhecimento 1. A reforma enquanto direito social do trabalho. 1.1. O envelhecimento nas sociedades pré-industriais. 1.2. A velhice no quadro das relações sociais capitalistas. 1.3. A lenta institucionalização dos sistemas de reforma numa lógica de seguro social: do mutualismo à universalização do direito à protecção social. 1.4. A especificidade da sociedade portuguesa em matéria de protecção social: institucionalização tardia da previdência e persistência da assistência pública através da pensão social. 2. Progressos da longevidade, mutações económicas e político-financeiras e sustentabilidade da segurança social financiada por repartição: a reestruturação dos mecanismos de protecção social.

Bibliografia Principal

***
Kellerhals, J. (et al.);Linguagens do parentesco: lógicas de construção identitária, Análise Social, n.º 163, 2002
Sennet, R., ;A Corrosão do Carácter. As Consequências Pessoais do Trabalho no Novo Capitalismo, Lisboa, Terramar, 2001
Lenoir, R.;«Objet sociologique et problème social», Initiation à la pratique sociologique,, Paris, Dunod, 1990
Carreira, H. M.;As Políticas Sociais em Portugal, Lisboa, Gradiva, 1996
GUILLEMARD, A. M., ;“Les sociétés à l’épreuve du vieillissement. Le défi de l’emploi en seconde partie de carrière”, , Futuribles, 299, 2004
Aboim, S., Wall, K.;“Tipos de família em Portugal: interacções, valores e contextos”, , Análise Social, n.º 163, 2002.
Sousa, L., Figueiredo, D, Cerqueira, M.;Envelhecer em família. Os cuidados familiares na velhice, Porto, Âmbar, 2004
Guerreiro, M. D.;“Pessoas sós: múltiplas realidades”,, Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 43, 2003
Fernandes, A. A.;Velhice e Sociedade, Oeiras, Celta,, 1997
Singly, F;La famille. L’État des Savoirs,, Paris, La Découverte, 1991
Vasconcelos, P., ;“Redes de apoio familiar e desigualdade social: estratégias de classe,, Análise Social, n.º 163, 2002
Mendes, F. R.;Conspiração Grisalha. Segurança Social, Competitividade e Gerações, Oeiras, Celta, 2005
Bulard, M; “Des nouvelles solidarités",, Pour Changer le Monde, Manières de voir, Le Monde Diplomatique, Paris, n.º 83, Out-Nov,, 2005
Guillemard, A. M., ;Le Declin du Social. Formation et Crise des Politiques de la Vieillesse, Paris, PUF,, 1986.
Nazareth, J. M.;Os grandes cenários de evolução do envelhecimento demográfico de Portugal no contexto da União Europeia até ao ano de 2050», População e Sociedade, nº 5, 1999 (http://www.cepese.pt/portal/investigacao/publicacoes/revista5.pdf)
Guillemard, A. M.;La Retraite, une Mort Sociale,, Paris, La Haye,, 1972

Observações Bibliográficas

A revista "População e Sociedade" nº 5 está disponível on line.

Métodos de Ensino

Os alunos podem optar por uma das seguintes modalidades de avaliação:

1. Avaliação distribuída.

A avaliação distribuída consistirá:

a) na realização de um trabalho escrito (individual ou em grupo, até um limite de 2 elementos), sobre temas dos conteúdos programáticos da cadeira. Este relatório tem uma ponderação de 35% da nota final. Serão considerados:

- articulação do tema com as matérias programáticas;
- capacidade de análise crítica dos textos;
- sistematicidade;
- pesquisa bibliográfica;
- originalidade;
- empenho no trabalho.

Este trabalho será ainda objecto de uma defesa por parte dos seus autores: entre 15 a 20 minutos. A defesa tem uma ponderação de 15% na nota final. Será valorizada a clareza na exposição e a articulação entre todos os elementos do grupo. O trabalho escrito não deve exceder as 15 páginas (incluindo a bibliografia), escrito a Arial 11 e espaço 1,5.

b) num exercício escrito individual, a realizar em data a definir, com ponderação de 50% na nota final.

c) a participação activa nas aulas poderá traduzir-se em bonificação de notas finais.

2. Avaliação por exame final.


Modo de Avaliação

Avaliação apenas com exame final

Avaliação Contínua

Os alunos podem optar por uma das seguintes modalidades de avaliação: 1. Avaliação distribuída: A avaliação distribuída consistirá: a) na realização de um trabalho escrito (individual ou em grupo, até um limite de 2 elementos), sobre temas dos conteúdos programáticos da cadeira. Este relatório tem uma ponderação de 35% da nota final. Serão considerados: - articulação do tema com as matérias programáticas; - capacidade de análise crítica dos textos; - sistematicidade; - pesquisa bibliográfica; - originalidade; - empenho no trabalho. Este trabalho será ainda objecto de uma defesa por parte dos seus autores, que não deverá exceder os 15/20 minutos. A defesa tem uma ponderação de 15% na nota final. Será valorizada a clareza na exposição e a articulação entre todos os elementos do grupo. O trabalho escrito não deve exceder as 10 páginas, escrito a Arial 11, espaço 1,5 pt, e deve incluir já a bibliografia. b) num exercício escrito individual a realizar na época normal de exame final das disciplinas semestrais do 1º semestre (ponderação de 50% na nota final). c) a participação (nomeadamente através da realização de fichas de leitura e outros elementos de estudo) poderá traduzir-se, na nota final, numa bonificação de 1 valor. 2. Avaliação por exame final

Avaliação Final

Na avaliação distribuída haverá um trabalho escrito (individual ou em grupo, até um limite de 2 elementos), sobre temas dos conteúdos programáticos da cadeira tem uma ponderação de 35% da nota final. Este trabalho será ainda objecto de uma defesa por parte dos seus autores, que não deverá exceder os 15/20 minutos. A defesa tem uma ponderação de 15% na nota final. Finalmente haverá o exercício escrito individual a realizar na época normal de exame final das disciplinas semestrais do 1º semestre com ponderação de 50% na nota final. No caso de o aluno realizar um exame final a classificação da disciplina será a classificação obtida no exame final.

Provas e Trabalhos Especiais

Não aplicável.

Avaliação Especial (TE, DA, ...)

Os alunos Estudantes-Trabalhadores que estejam inscritos em Avaliação Distribuída que não consigam corresponder ao critério Assiduidade, poderão desenvolver com o docente um plano especial de acompanhamento, de acordo com as normas estipuladas no Regulamento de Avaliação do ISSSP.

Melhoria de Classificação Final/Distribuída

A melhoria de nota é feita nos períodos e segundo o estipulado no Regulamento de Avaliação de Conhecimentos do ISSSP.

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular

Horários de atendimento: será anunciado, pelo docente, nas aulas e afixado no Gabinete 5.