• EN
  • Ajuda Contextual
  • Facebook
  • Instagram
  • Youtube
Você está em: Início > Cursos > Unidades Curriculares > GS1104

Animação Sócio-Cultural I: Perspectivas Teóricas


Código: GS1104    Sigla: ASC1

Ocorrência: 2018/19 - 1S

Área de Ensino: Gerontologia Aplicada

Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos Horas Contacto Horas Totais
LGS 10 Despacho 6311/08 de 05 de Março 4 ECTS

Horas Efetivamente Lecionadas

1Turma

Teóricas: 14,00
Laboratoriais: 14,00

Docência - Horas

Teóricas: 1,00
Laboratoriais: 2,00

Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 1 1,00
Maria Luisa Macedo da Costa Pinto   1,00
Laboratoriais Totais 1 2,00
Maria Luisa Macedo da Costa Pinto   2,00

Língua de Ensino

Português

Objectivos, Competências e Resultados de aprendizagem

Objectivos:1. Transmitir conhecimentos sobre o conceito de animação sócio-cultural, nos seus objectivos, áreas de aplicação e meios, assim bem como os pressupostos e as características específicas da animação sócio-cultural para idosos. 2. Promover nos estudantes a capacidade de identificarem projectos de animação Sócio-Cultural nas instituições de estágio, relacionando-os com os conhecimentos teóricos.

Competências:
-Identificar o objecto de estudo da Animação Sócio-Cultural e os seus principais métodos e técnicas;
- Definir e utilizar os conhecimentos teóricos e técnicos nos processos de observação dos projectos de animação sócio-cultural nas instituições de enquadramento ao estágio;Estar apto a reflectir sobre a pertinência da participação activa dos idosos em projectos de Animação Sócio-Cultural, numa perspectiva do exercício efectivo da Cidadania.
 

Programa

I Envelhecimento demográfico da população portuguesa e desigualdades sócio-culturais
1. O conceito de Cultura na Animação sócio-cultural
2. O conceito de Animação sócio-cultural: Paradigmas Teóricos
2.1 Paradigma Tecnológico ou da Animação como Engenharia Cultural;
2.2 Paradigma Interpretativo ou da Animação como Formação Cultural;
2.3 Paradigma Dialéctico ou da Animação como Democracia Cultural.
3. A Animação sócio-cultural em Portugal: emergência e desenvolvimento
3.1. Animação sócio-cultural: campo de acção, objecto, objectivos e actividades
3.2 O papel do Animador Sócio-cultural e seus modos de agir
II Envelhecimento activo, Políticas de Saúde e Qualidade de Vida
1. Sociabilidades e institucionalização dos idosos: o exemplo dos Centros de Dia
2.Projectos de intervenção e animação sócio-cultural com idosos
2.1 Trajectórias biopsicossociais e desiguais expectativas, gostos e interesses dos idosos
3. Participação activa, motivação e cidadania: o direito de escolha do idoso

Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objetivos da UC

A compreensão do processo de emergência e desenvolvimento da Animação Sócio-Cultural, muito em particular em Portugal, pressupõe a prévia leitura do processo de envelhecimento que o país tem vindo a conhecer pelo menos nas últimas duas décadas e, simultâneamente, as principais manifestações desse processo em termos de saúde, relações familiares e intergeracionais e respostas no âmbito das medidas de política social direccionadas para a população idosa. A par desta contextualização social é essencial abordar conceitos teóricos, como por exemplo : cultura, animação sócio-cultural, cidadania, participação activa, desigualdades,... fortemente associados às práticas da animação sócio-cultural. A abordagem aos principais paradigmas da Animação Sócio-Cultural é, em si mesmo, um contributo indispensável à compreensão crítica dos pressupostos operativos que informam distintos modos de "conceber e fazer" animação sócio-cultural e de definir o papel do animador. 

Bibliografia Principal

Lopes, M. S. (2006);A ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL EM PORTUGAL, Revista IberoAmericana vol.1, nº 1
Maria Conceição Antunes, Joana Pereira;Animação sociocultural e terceira idade (2014), Cultura e Participação - Animação Sociocultural em Contextos IberoAmericanos, Rede Iberoamericana de Animación Sociocultural, pp 135-146, 2014. ISBN: 978-989-20-5122-2l
WLRA;Carta internacional de educação para o lazer, http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_exibe1.asp?cod_noticia=195
Trilla, J. (Coord) (2004).;Animação sociocultural. Teorias, programas, âmbitos., Lisboa: Instituto Piaget.
Simão, J.F.L. (2007);Educación na Terceira Idade: estúdio do colectivo de persoas maiores no contexto comunitário de Vila Nova de Gaia. Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Ciências de la Educación, Universidade de Santiago de Compostela. Cap. IV, Gerontologia Educat (http://books.google.pt/books?id=TOmwDwqfuUgC&printsec=frontcover&hl=pt-PT#v=onepage&q&f=false)
Lopes, M.S.;A animação sociocultural em Portugal, Site web: http://www.lazer.eefd.ufrj.br/animadorsociocultural/pdf/ac105.pdf
Capdevila, M.L. (coord);Programas de Animación Sociocultural, Site web: http://eduso.files.wordpress.com/2008/06/animacion-sociocultural.pdf
López, M.M.l., Haro, A.E. (2009).;Alternativas socioeducativas para las personas mayores., Madrid: Dikinson.

Bibliografia Complementar

Ander-Egg, E. (1996).;La animacíon e los animadores., Madrid: Ed. Narcea.

Métodos de Ensino

¿ Sistematização e estruturação, pela docente, das matérias leccionadas, a partir de reflexões e debates promovidos em contexto de sala de aula com base em textos e materiais audiovisuais seleccionados e disponibilizados pela docente aos estudantes;
¿ Apresentação de Casos Práticos que possam constituir situações exemplificativas para introdução de conceitos, linguagem científica especifica sobre o observado, de modo a promover "novos olhares" sobre a realidade social em observação;
¿ Simulação de situações exemplificativas que capacitem os estudantes a identificarem pensamentos, sentimentos, e comportamentos de si próprios e de outros, na situação de potencial "animador" com destaque para a promoção da atitudes que garantam o superior interesse, respeito e dignidade do idoso.


Modo de Avaliação

Avaliação apenas com exame final

Componentes de Avaliação e Ocupação registadas

Descrição Tipo Tempo (horas) Data de Conclusão
Participação presencial (estimativa)  Aulas  42
  Total: 42

Avaliação Contínua

Os estudantes podem optar por uma das seguintes modalidades de avaliação: 1. Avaliação distribuída: dois testes. Ponderação: 50% cada teste. 2. Exame Final. Ponderação: 100%

Avaliação Final

Em conformidade com o disposto no Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Provas e Trabalhos Especiais

Em conformidade com o disposto no Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Melhoria de Classificação Final/Distribuída

Em conformidade com o disposto no Regulamento de Avaliação de Conhecimentos.

Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objetivos de Aprendizagem da Unidade Curricular

Pretende- se contribuir para o desenvolvimento de um pensamento analítico, crítico, argumentativo e reflexivo. Pretende-se desenvolver o gosto pelo debate de ideias e atitudes de respeito, tolerância, gestão de conflito no trabalho em grupo.